A artista parte de folhas de madeira que lembram cascas de árvores, desenha com fogo e pinta formas etéreas como a água e o ar. A tinta dá vida às imagens por insinuar movimento, gestos invisíveis porquê já passaram deixando seu rastro; enquanto a ferramenta de desenho eleita queima e endurece a matéria quente e pulsante que já foi uma árvore. Os veios e marcas típicos da matéria escolhida para o suporte [: a madeira] são utilizados junto à composição, quase lembrando ao observador que o pano de fundo para todo gesto abaixo do céu é a natureza: selvagem ou domada.

Paulo Gallina

 

O trabalho da artista é inspirado na natureza e sentimentos que falam do homem, imagens de lugares sagrados e utiliza o pirógrafo para definir esses espaços. Demonstra uma visão singular de formas e conceitos, ressaltando detalhes só percebidos pela observação atenta. Na composição do trabalho, as garatujas conferem às imagens configurações singulares. Entre espaços vazios e “cheios”, a artista cria uma imagem abstrata que permite várias leituras pelo observador. Em folhas de madeira uma simples linha traçada é capaz de criar uma dimensão especial na construção ao fazer uso de suportes variados, espaços vazios, cores e formas inusitadas, suas obras transmitem ao interlocutor a sensação de uma viagem por um admirável mundo novo, na expressão de Aldous Huxley.

Enock Sacramento

 

O trabalho da artista retratado em pirógrafo, é inspirado na natureza ou imagens de lugares sagrados. Demonstra uma visão singular de formas e conceitos, ressaltando detalhes que só um atento observador seria capaz de destacar nessas imagens. Na composição do trabalho, as garatujas, dão formatos impressionantes nas figuras retratadas. Entre espaços vazios e excessos, a artista constrói uma imagem abstrata que leva o observador a compor interpretações diferentes de uma mesma figura.

Em folhas de madeira, as figuras ganham vida entre as linhas pirografadas, tintas e espaços vazios. Muitas vezes, uma simples linha traçada na folha de madeira é capaz de criar uma metamorfose, dando ao observador uma dimensão especial e a construção de uma imagem própria. Essa característica, inclui o observador na construção do trabalho artístico. Possibilitando diversas interpretações nas imagens gravadas na folha de madeira.

Uma característica própria da artista merece ser destacada. A intensidade de sua criação, muitas vezes, parte de um traço ou de uma sequência disforme e acaba compondo imagens com várias interpretações. De um simples risco, surge um trabalho que possibilita inúmeras composições. Cada pessoa associa a imagem criada às sua experiencias sensitivas. Não há no trabalho uma verdade exposta. São traços que conduzem as pessoas a diversos caminhos ou entendimentos. 

Chama a atenção as diversas formas em que a artista expõe essa criatividade. Em tela, em folhas de madeira, em papel ou qualquer superfície, os trabalhos ganham vida e dimensões diferentes. 

Fabio Serodio